Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Valores pela cobrança pelo uso da água terão reajustes em seis bacias federais em 2020

Notícias

Valores pela cobrança pelo uso da água terão reajustes em seis bacias federais em 2020

por ASCOM/ANA publicado: 10/12/2019 19h16 última modificação: 11/12/2019 19h16
Zig Koch / Banco de Imagens ANA Rio São Francisco (MG)

Rio São Francisco (MG)

Raylton Alves com colaboração de Gabriel Albuquerque

Nesta terça-feira, 10 de dezembro, a Agência Nacional de Águas (ANA) publicou no Diário Oficial da União a Resolução nº 101/2019, que formaliza o reajuste dos valores da cobrança pelo uso de recursos hídricos em seis bacias com rios de domínio da União, interestaduais, para o exercício 2020. São elas: Paraíba do Sul; Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ); São Francisco; Doce; Paranaíba; e Verde Grande. Os novos valores têm como base os valores definidos pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH) e estão de acordo com a Resolução CNRH nº 192/2017

Na bacia do rio Paraíba do Sul, o reajuste foi de 2,54% com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) entre novembro de 2018 e outubro de 2019. Os valores para a captação de água, consumo e lançamento de efluentes passarão a custar respectivamente R$ 0,0204 por metro cúbico, R$ 0,0408/m³ e R$ 0,1428 por quilo de carga orgânica lançada no Paraíba do Sul. 

Para as bacias PCJ, o reajuste será de 2,54% relativo ao IPCA acumulado entre novembro de 2018 e outubro 2019. Em termos de valores, a captação de água bruta custará R$ 0,0140/m³. O consumo terá o valor de R$ 0,0281/m³, enquanto cada quilo de carga orgânica lançado nos rios da bacia terá o custo de R$ 0,1403. Já para a transposição das águas da região, o valor será de R$ 0,0210/m³. 

Na bacia do rio São Francisco, o reajuste foi de 2,60% referente ao IPCA acumulado entre janeiro e outubro de 2019. A cobrança será de R$ 0,0123/m³ de água bruta captada, R$ 0,0246/m³ de líquido consumido e R$ 0,0012/m³ de carga orgânica. No rio Doce, o reajuste também foi de 2,60% pelo IPCA do mesmo período. Em termos de valores, a captação de água custará R$ 0,0345/m³, R$ 0,1837 por quilo de efluentes lançados nos rios da bacia. Para o consumo de água, o valor será de R$ 0,0345/m³. 

Em relação ao rio Paranaíba, a cobrança terá aumento 2,54% referente ao IPCA acumulado entre novembro de 2018 e outubro de 2019. Assim, os valores para a captação de água serão de R$ 0,0239/m³ e R$ 0,1302 por quilo de carga orgânica lançada nos rios da bacia. Nela não há a cobrança pelo consumo de recursos hídricos. O reajuste pelo uso da água do rio Verde Grande também foi de 2,54% referente ao IPCA. A cobrança pela captação será de R$ 0,0118/m³, R$ 0,0235/m³ para o consumo e R$ 0,0823 por quilo de carga orgânica. 

Conforme a Resolução nº 101/2019, cabe à ANA dar publicidade à variação do IPCA a ser aplicada aos valores da cobrança. Também é função da Agência dar publicidade aos preços unitários que terão vigência no ano seguinte à apuração do IPCA, o que pode incluir, segundo cada bacia hidrográfica, a cobrança pela captação da água bruta (na natureza), consumo de água bruta, lançamento de efluentes e transposição de bacia.

Acesse aqui a Resolução ANA nº 91/2018, contendo os valores da cobrança pelo uso da água que vêm sendo praticados neste ano nas seis bacias com rios de domínio da União mencionadas. 

A cobrança pelo uso da água  

A cobrança pelo uso da água é um dos instrumentos de gestão instituídos pela Política Nacional de Recursos Hídricos e tem como objetivo estimular o uso racional da água e gerar recursos financeiros para investimentos na recuperação e preservação dos mananciais onde existe a cobrança. Os valores arrecadados junto aos usuários de água (como irrigantes, indústrias, mineradoras e empresas de saneamento) são repassados integralmente pela ANA à agência de água da bacia (ou à entidade delegatária que exerce tal função) para que a instituição aplique os valores em ações escolhidas pelo respectivo comitê de bacia hidrográfica.  

A cobrança não é um imposto, mas um valor fixado a partir da participação dos usuários da água, da sociedade civil e do Poder Público no âmbito dos comitês. O instrumento tem sido implementado a partir da aprovação, pelo CNRH, dos mecanismos e valores de cobrança propostos por iniciativa dos próprios comitês. Assista à animação da ANA para saber mais sobre a cobrança pelo uso da água.

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM)
Agência Nacional de Águas (ANA)
(61) 2109-5129/5495