Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Sala de Crise do Tocantins passará a ter reuniões quinzenais

Notícias

Sala de Crise do Tocantins passará a ter reuniões quinzenais

por Raylton Alves - ASCOM/ANA publicado: 21/01/2020 16h05 última modificação: 21/01/2020 16h09
Rui Faquini / Banco de Imagens ANA Barragem de Serra da Mesa (GO)

Barragem de Serra da Mesa (GO)

Nesta terça-feira, 21 de janeiro, aconteceu a segunda reunião da Sala de Crise do Tocantins neste ano. No encontro, realizado na sede da Agência Nacional de Águas (ANA) em Brasília e por videoconferência, foram apresentados resultados de simulações da evolução do armazenamento do reservatório da usina hidrelétrica de Serra da Mesa (GO). De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em função de demandas do setor elétrico, não há condições energéticas para operação de Serra da Mesa com defluência mínima de 300m³/s, sendo necessária, por enquanto, a operação com um patamar de defluências um pouco acima de 500m³/s. 

Outra decisão tomada hoje é a mudança da periodicidade dos encontros da Sala de Crise, que deixarão de ser semanais e passarão a ser quinzenais, às terças durante a manhã, pois não há perspectivas de alterações significativas nas condições da bacia hidrográfica do Tocantins até a próxima reunião em 4 de fevereiro. Segundo o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), há uma previsão favorável de chuvas para as próximas semanas na bacia do rio Tocantins. 

No último domingo, 19 de janeiro, o Reservatório Equivalente do Tocantins estava com 15,45% de seu volume útil, sendo que na mesma data de 2019 o conjunto de barragens formado pelos reservatórios de Serra da Mesa, Peixe Angical (TO) e Tucuruí (PA) armazenava 25,03%. Maior reservatório da bacia, Serra da Mesa acumulava 8,98% de seu volume útil de 43,25 trilhões de litros no dia 19. Acompanhe a situação do rio Tocantins em: https://www.ana.gov.br/sala-de-situacao/tocantins.  

Além da ANA, participaram da reunião representantes do Ministério de Minas e Energia (MME), Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), CEMADEN, CENSIPAM, Furnas, Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paranaíba (CODEVASF), Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Tocantins (SEMARH), SEMA-MA, Enerpeixe, entre outras instituições. Assista aqui ao vídeo da reunião de hoje.

Hidrelétrica de Serra da Mesa

A Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa tem capacidade instalada para geração de 1.275MW, segundo dados de Furnas, e atende ao mercado de energia elétrica do Sistema Interligado Sul/Sudeste/Centro-Oeste. Além disso, a hidrelétrica é responsável pela ligação entre este sistema e o Norte/Nordeste, sendo o elo da Interligação Norte-Sul. Com uma área de 1.784km², o reservatório da hidrelétrica é o maior do Brasil em volume de água: 54,4 trilhões de litros de capacidade total. Sua barragem para geração de energia fica no curso principal do rio Tocantins no município de Minaçu (GO). 

Rio Tocantins 

Com aproximadamente 2400km de extensão, o rio Tocantins é o segundo maior curso d’água 100% brasileiro, ficando atrás somente dos cerca de 2800km do rio São Francisco. O Tocantins nasce entre os municípios goianos de Ouro Verde de Goiás e Petrolina de Goiás. Ele também atravessa Tocantins, Maranhão e tem sua foz no Pará perto da capital Belém. O rio também pode ser chamado de Tocantins-Araguaia, por se encontrar com o rio Araguaia entre Tocantins e Pará. Os dois cursos d’água também dão nome à Região Hidrográfica do Tocantins-Araguaia, que é a maior do Brasil em área de drenagem 100% em território nacional.  Por serem rios interestaduais, a gestão das águas do Tocantins e do Araguaia é de responsabilidade da ANA.

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM)
Agência Nacional de Águas (ANA)
(61) 2109-5129/5495