Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Levantamento da ANA aponta aumento expressivo no número de estações de tratamento de esgotos no Brasil

Notícias

Levantamento da ANA aponta aumento expressivo no número de estações de tratamento de esgotos no Brasil

A publicação Atualização da Base de Dados de Estações de Tratamento de Esgotos no Brasil registra o aumento de 900 novos empreendimentos entre 2013 e 2019, totalizando 3.668 estações no País. No entanto, somente 36% dos municípios possuem tratamento de esgotos.
por Raylton Alves - ASCOM/ANA publicado: 28/07/2020 15h16 última modificação: 28/07/2020 15h16
Tomás May / Banco de Imagens ANA ETE Anhumas (SP)

ETE Anhumas (SP)

Nesta terça-feira, 28 de julho, a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) lança uma publicação que atualiza a base de dados da instituição sobre estações de tratamento de esgotos (ETEs) no Brasil. Esse mapeamento identificou 900 novas estações, entre 2013 e 2019, totalizando 3.668 ETEs em 2.007 municípios.

O levantamento Atualização da Base de Dados de Estações de Tratamento de Esgotos no Brasil (disponível nos Itens Relacionados à esquerda) apresenta e detalha as informações das ETEs, como os processos de tratamento de esgotos utilizados, sua localização e as novas instalações que foram construídas ou identificadas após 2013. Este foi o ano de referência dos dados para a produção do Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas pela ANA, lançado em 2017 e atualmente em fase de atualização.

Conforme o levantamento, houve no Brasil um avanço no total de ETEs durante o período de 2013 a 2019, mas ainda existe um número reduzido de municípios abrangidos com o serviço de tratamento de esgotos – apenas 36% do total. A média brasileira de atendimento da população urbana com sistemas coletivos de coleta e tratamento de esgotos é de 46,5%, o equivalente a 82,1 milhões de pessoas.

Na publicação os processos de tratamento de esgotos foram mais detalhados, resultando em 206 novas tipologias utilizadas para classificação das ETEs, que se tornou mais ampla e apropriada aos diversos processos de tratamento mapeados. Destacam-se os sistemas de tratamento que utilizam reatores anaeróbios (37% do total) e lagoas de estabilização (32%).

As 900 estações adicionadas e demais dados estão armazenados em uma nova base e disponíveis a todos os públicos no portal do Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos (SNIRH) em http://portal1.snirh.gov.br/ana/apps/webappviewer/index.html?id=6d866c5d54c64b17bd53af4bdcfb4b91

A produção do levantamento Atualização da Base de Dados de Estações de Tratamento de Esgotos no Brasil faz parte de um esforço contínuo da ANA para manter atualizadas e sistematizadas as informações sobre os processos de tratamento existentes e necessários ao planejamento das políticas públicas do setor. O trabalho também busca, sobretudo, orientar as ações de melhoria e preservação da qualidade da água dos corpos hídricos que recebem esgotos das cidades brasileiras. 

Novas atribuições da ANA

Com a publicação da Lei nº 14.026/2020 em 16 de julho, a ANA passou a se chamar “Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico”. Além disso, a lei que atualiza o marco legal do saneamento básico trouxe uma nova atribuição regulatória para a instituição: editar normas de referência, com diretrizes, para a regulação dos serviços públicos de saneamento básico no Brasil, o que inclui abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem de águas pluviais e manejo de resíduos sólidos. Conheça as atribuições da ANA em saneamento em: www.ana.gov.br/saneamento.

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM)
Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)
(61) 2109-5495/5103/5129