Você está aqui: Página Inicial > Notícias > ANA e estados participantes avaliam Monitor de Secas

Notícias

ANA e estados participantes avaliam Monitor de Secas

por ASCOM/ANA publicado: 04/03/2020 18h46 última modificação: 06/03/2020 11h50
Exibir carrossel de imagens Raylton Alves / Banco de Imagens ANA

Natália Batista sob supervisão de Raylton Alves

Nesta terça-feira, 4 de março, aconteceu na Agência Nacional de Águas (ANA) a II Reunião de Avaliação do Monitor de Secas – Uso Efetivo para Tomada de Decisão. Realizado pela ANA, em parceria com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (FUNCEME), o evento ocorreu na sede da Agência em Brasília. A reunião teve como objetivo apresentar os avanços do projeto, incentivar a utilização do Mapa do Monitor como ferramenta de tomada de decisão para o enfrentamento das secas nos estados e pactuar metas para 2020. 

Durante a manhã desta quarta-feira, a especialista em recursos hídricos da ANA Priscila Gonçalves realizou uma avaliação do Monitor de Secas no ciclo 2018/2019. A superintendente adjunta de Operações e Eventos Críticos, Ana Paula Fioreze, falou sobre as perspectivas para o ciclo 2020/2021 e o processo de expansão do Monitor de Secas, que deve chegar a Goiás e Rio de Janeiro ainda este ano. No fim da manhã, a coordenadora de Articulação com o Sistema Nacional e Defesa Civil da ANA, Alessandra Daibert, abordou a integração do Monitor com as Salas de Situação. 

No início da tarde, o presidente da FUNCEME, Eduardo Martins, falou a respeito das potencialidades de utilização dos produtos do Monitor e incorporação das informações geradas. Na sequência o diretor do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD), Armin Augusto Braun, abordou a utilização da ferramenta pela Defesa Civil Nacional. A coordenadora da Gerência-Geral de Estratégia da ANA, Bruna Craveiro, e o especialista em recursos hídricos Márcio Nóbrega fizeram apresentação sobre exemplos de uso e de decisões com base no Monitor de Secas nos Estados Unidos. 

A professora do Instituto Federal de Sergipe (IFS) Tatiana Máximo e o coordenador de Meteorologia do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (INCAPER), Hugo Ely, tiveram espaço para falar sobre o uso efetivo do Monitor de Secas respectivamente em Sergipe e no Espírito Santo. Ao término da reunião, os participantes dos órgãos estaduais puderam compartilhar suas perspectivas em termos de avanços, dificuldades, demandas e expectativas no contexto do Monitor. 

Participaram do encontro cerca de 50 especialistas de diversas instituições, como: Agência Executiva de Gestão das Águas (AESA/PB), Agência Estadual de Recursos Hídricos (AGERH/ES), ANA, Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), CENAD, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas do Estado de Goiás (CIMEHGO), Defesa Civil do Espírito Santo, Empresa de Pesquisa Agropecuária (EMPARN) e FUNCEME. 

Também participaram representantes do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM); INCAPER; Instituto Estadual do Ambiente (INEA/RJ); Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (INEMA); Instituto Nacional de Meteorologia (INMET); Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (SEMAGRO/MS); Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (SEDURBS/SE); Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/AL); Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado do Piauí (SEMAR); Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/RN); e Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). 

O Monitor de Secas 

O Monitor de Secas é coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) desde 2017, com o apoio da FUNCEME, e desenvolvido conjuntamente com diversas instituições estaduais e federais ligadas às áreas de clima e recursos hídricos, que atuam na autoria e validação dos mapas. Por meio da ferramenta é possível comparar a evolução das secas nos 12 estados (Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Tocantins) a cada mês vencido. 

O projeto tem como principal produto o Mapa do Monitor, construído mensalmente a partir da colaboração dos estados integrantes do projeto e de uma rede de instituições parceiras que assumem diferentes papéis na rotina de sua elaboração. Esse e outros produtos do projeto podem ser acessados em monitordesecas.ana.gov.br ou pelo aplicativo Monitor de Secas, disponível para dispositivos móveis com sistemas Android e iOS.

Em operação desde 2014, o Monitor de Secas iniciou suas atividades pelo Nordeste, historicamente a região mais afetada por este tipo de fenômeno climático. No fim de 2018, com a metodologia já consolidada e entendendo que todas as regiões do País são afetadas em maior ou menor grau por secas, foi iniciada a expansão da ferramenta para a inclusão de estados de outras regiões. Em novembro de 2018 e em junho de 2019, Minas Gerais e Espírito Santo foram incorporados. Em janeiro de 2020, foi a vez de Tocantins entrar no Mapa do Monitor. 

O Monitor de Secas foi concebido com base no modelo de acompanhamento de secas dos Estados Unidos e do México. O cronograma de atividades inclui as fases de coleta de dados, cálculo dos indicadores de seca, traçado dos rascunhos do mapa pela equipe de autoria, validação dos estados envolvidos e divulgação do mapa final. A metodologia utilizada no processo faz com que o mapa do Monitor indique uma seca relativa, ou seja, as categorias de seca em uma determinada área são estabelecidas em relação ao próprio histórico da região.

Assessoria de Comunicação Social (ASCOM)
Agência Nacional de Águas (ANA)
(61) 2109-5129/5495