Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > SP: documento revela preocupação com reservatórios

SP: documento revela preocupação com reservatórios

por Fonte: Jornal Nacional publicado 02/02/2010 23h00, última modificação 14/03/2019 16h39
O jornal O Estado de São Paulo publicou um documento do Inpe, de outubro de 2009, em que coordenador recomendava que os reservatórios começassem a liberar águas para evitar enchentes catastróficas.

O jornal O Estado de São Paulo publicou um documento do Inpe, de outubro de 2009, em que coordenador recomendava que os reservatórios começassem a liberar águas para evitar enchentes catastróficas.

Um documento interno do Inpe divulgado nesta quarta pelo jornal O Estado de São Paulo revela que desde outubro do ano passado já havia uma preocupação com a cheia dos reservatórios de São Paulo.

Os municípios que sofrem com as enchentes ficam no entorno do Sistema Cantareira, cinco represas que abastecem a Grande São Paulo e são gerenciadas pela Sabesp, a companhia de saneamento básico do estado. Na semana passada, dois desses reservatórios passaram do limite da capacidade.

Nesta quarta, o jornal "O Estado de São Paulo" publicou um documento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, de outubro do ano passado. Nele, o coordenador do Centro de Previsão do Tempo, Luiz Augusto Toledo Machado, recomendava que os reservatórios começassem a liberar as águas para evitar enchentes catastróficas entre dezembro e março.

O documento publicado pelo jornal é um memorando interno do Inpe. O diretor do instituto afirmou que enviou à Agência Nacional de Águas um relatório com as mesmas informações, mas negou que o conteúdo fosse sigiloso.

“Foi enviado pela equipe do Cptec e isso foi até certo ponto um procedimento normal da instituição. O que eu quero ressaltar é que não houve nas informações que prestamos à ANA e nas informações enviadas no relatório nada de especial que não tivesse sido divulgado ao mesmo tempo na internet”, declarou Gilberto Câmara, diretor do Inpe.

Só em Atibaia, 150 famílias estão vivendo em abrigos desde o início do ano. “Eu não tenho do que reclamar. Acho que é um lugarzinho até bom para a gente viver. Melhor do que a gente estar lá embaixo na água. Porque lá era um sofrimento e tanto”, contou a dona de casa Maria Helena Barbosa.

Em nota, a Agência Nacional de Águas informou que não recebeu documento do Inpe com aviso sobre o risco de enchentes catastróficas provocadas pelas cheias dos reservatórios. E, sim, a cópia de um outro documento, que alertava sobre um período de chuvas acima da média na região centro-sul do Brasil.

Ainda segundo a agência, para diminuir o impacto das cheias, o volume de água descarregado pelos reservatórios do Sistema Cantareira sempre foi menor do que a quantidade de água que chegava. A Sabesp, que opera o sistema de represas, declarou que não recebeu a documentação do Inpe.

Clique aqui para ver o vídeo.


Texto:Fonte: Jornal Nacional