Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Rede unificada para gerenciar manancial

Rede unificada para gerenciar manancial

por Fonte: Gazeta do Povo publicado 28/06/2010 00h00, última modificação 15/03/2019 09h18
O principal manancial subterrâneo da América do Sul será monitorado por uma rede de computadores que abrangerá quatro países. A Agência Nacional De Águas (ANA) vai concluir, até o fim do ano, a unificação da base de dados brasileira do Aquífero Guarani.
Principal reservatório subterrâneo de água da América do Sul terá dados compartilhados entre quatro países para monitoramento

O principal manancial subterrâneo da América do Sul será monitorado por uma rede de computadores que abrangerá quatro países. A Agência Nacional De Águas (ANA) vai concluir, até o fim do ano, a unificação da base de dados brasileira do Aquífero Guarani.
 
Com a inclusão da conexão nacional, um servidor instalado na sede da ANA, em Brasília, receberá informações coletadas nos oito estados brasileiros situados sobre o reservatório: São Paulo, Mato Grosso do
Sul, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O passo seguinte será interligar o nó brasileiro com os sistemas da Argentina, do Paraguai e do Uruguai, formando o Sistema de Informações do Sistema Aquífero Guarani (Sisae).

A ideia é organizar as informações em uma única plataforma para facilitar a gestão e o monitoramento do manancial, um dos maiores reservatórios de água subterrânea do mundo. A
Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), empresa pública vinculada ao Ministério das Minas e Energia, será responsável pela implementação, operação e manutenção da Rede Nacional de Monitoramento Integrado Qualitativo de Águas Subterrâneas, a parte brasileira do
Sisae.

No Brasil, os dados referentes ao aquífero são coletados pelas instituições responsáveis pela gestão de recursos hídricos de cada estado. No caso do Paraná, compete ao Instituto das Águas do Paraná (Ipáguas). Caso um poço novo entre em operação no estado, o instituto repassará os
dados para o servidor da ANA.
 
“Cada estado terá de colocar as informações no sistema. Por exemplo, quantos poços são outorgados, quanto é retirado de água”, explica o gerente de Águas Subterrâneas da ANA, Fernando Roberto de Oliveira.

Implantação

O presidente da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (Abas), Éverton Luiz da Costa Souza, também geólogo do Ipáguas, relata que os oito estados já contam com os equipamentos. “Falta apenas a ANA e o CPRM completarem o sistema para que ele entre em operação”, afirma. A implantação da base de dados unificada depende da chegada do software e dos equipamentos.

Quando chegarem à ANA, os dados serão transmitidos para o nó central do Sisae, na Argentina, que os reencaminhará para as redes dos outros países. Da mesma forma, as atualizações resultantes de informações coletadas na Argentina serão sincronizadas na base de dados das
nações parceiras.

A ANA não revela o valor aplicado, mas informa que o sistema de informações representa uma pequena parte do custo do projeto do Aquífero Guarani. Entre 2003 e 2009, foram investidos US$ 26,5 milhões no projeto – cerca de R$ 47 milhões.
Texto:Fonte: Gazeta do Povo