Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Programa nacional monitora águas da bacia amazônica

Programa nacional monitora águas da bacia amazônica

por Fonte: O liberal (PA) publicado 11/07/2010 00h00, última modificação 15/03/2019 09h19
Os sete estados do Norte brasileiro abrigam, ao mesmo tempo, o maior aquífero e a maior bacia hidrográfica do mundo. No entanto, no mapa da qualidade das águas do País, poucas são as informações divulgadas a respeito disso. Nos indicativos e pesquisas feitos em nível nacional, não há dados precisos sobre a qualidade da água dos rios e das reservas subterrâneas da Amazônia. O Índice de Qualidade das Águas (IQA), que mede o nível de contaminação da água bruta para o consumo no Brasil, a partir de nove parâmetros técnicos, desconsidera os rios da região Norte. A distância e a dificuldade em se coletar amostras in loco e submetê-las à análise adequada isolam a Amazônia do resto do País quando o assunto é monitoramento da qualidade dos recursos hídricos. Uma contradição que pode começar a ser quebrada com o Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas, o PNQA, lançado pela Agência Nacional de Águas (ANA) na última semana de junho. O plano prevê o investimento de R$ 87 milhões para a implantação das redes de monitoramento e apoio às redes já existentes.
Edição de 11/07/2010
AVANÇOS Recursos hídricos da região Norte são pouco estudados no resto do País  
 
FILIPE SANCHES
Da Redação
 
Os sete estados do Norte brasileiro abrigam, ao mesmo tempo, o maior aquífero e a maior bacia hidrográfica do mundo. No entanto, no mapa da qualidade das águas do País, poucas são as informações divulgadas a respeito disso. Nos indicativos e pesquisas feitos em nível nacional, não há dados precisos sobre a qualidade da água dos rios e das reservas subterrâneas da Amazônia. O Índice de Qualidade das Águas (IQA), que mede o nível de contaminação da água bruta para o consumo no Brasil, a partir de nove parâmetros técnicos, desconsidera os rios da região Norte. A distância e a dificuldade em se coletar amostras in loco e submetê-las à análise adequada isolam a Amazônia do resto do País quando o assunto é monitoramento da qualidade dos recursos hídricos. Uma contradição que pode começar a ser quebrada com o Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas, o PNQA, lançado pela Agência Nacional de Águas (ANA) na última semana de junho. O plano prevê o investimento de R$ 87 milhões para a implantação das redes de monitoramento e apoio às redes já existentes. O sistema padronizado de avaliação e monitoramento, ainda incompleto, deve entrar em funcionamento até 2015.
 
De acordo com o especialista em recursos hídricos da ANA, Carlos Motta, existe uma rede de estações térmicas que se espalha por toda a Região Norte, centros que captam amostras e processam os resultados remotamente, enviando os dados por satélite. Esta estrutura, porém, é limitada. Ela oferece apenas parte dos parâmetros usados para o cálculo do Índice de Qualidade das Águas. Para o restante das pesquisas, é necessário fazer a coleta de amostras e a análise em laboratório. "Há problemas logísticos na Região Norte, por causa das grandes extensões. As amostras coletadas precisam chegar no laboratório em até 24 horas. Em mais de um dia, a água muda de propriedades físicas e químicas", diz Motta. "No restante do País, as distâncias são menores e é possível fazer a coleta e levar ao laboratório. Na região Norte, as grandes cidades ficam distantes umas das outras. Além disso, não justifica ter um laboratório numa cidade muito pequena, montado para fazer uma analise a cada 4 meses."
 
No restante do Brasil, há estações de monitoramento da qualidade da água dos rios nos trechos seguintes às cidades, verificando o nível de contaminação que o núcleo urbano submete o rio. Este tipo de monitoramento não existe na Região Norte.
 
A primeira ação do PNQA será a identificação da rede existente de monitoramento. O raio-X da qualidade da água nos Estados será feito por uma empresa contratada pela ANA dentro de um prazo de um ano e meio. A partir deste diagnóstico serão traçadas as metas de melhora no sistema de monitoramento. No Portal da Qualidade da Água (www.pnqa.ana.gov.br) será possível consultar todos os dados sobre o monitoramento dos rios do país. Hoje é possível encontrar um quadro que aponta a média nacional de qualidade das águas medidas a partir de dados coletados em 2008. No restante do país, 70% da água disponível é considerada boa, 10% pode ser considerada ótima, 12% regular, 6% ruim e 6 % péssima.
 
Texto:Fonte: O liberal (PA)