Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Pagamento por serviços ambientais: ANA e Fundação O Boticário buscam aproximação

Pagamento por serviços ambientais: ANA e Fundação O Boticário buscam aproximação

por ASCOM/ANA publicado 19/11/2008 23h00, última modificação 14/03/2019 16h38
A Agência Nacional de Águas (ANA) desenvolve o Programa Produtor de Água; e a Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, o Projeto Oásis. O que eles têm em comum? Ambos envolvem o pagamento por serviços ambientais. Em reunião hoje (20/11) na Agência, representantes
Denise Caputo

A Agência Nacional de Águas (ANA) desenvolve o Programa Produtor de Água; e a Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, o Projeto Oásis. O que eles têm em comum? Ambos envolvem o pagamento por serviços ambientais. Em reunião hoje (20/11) na Agência, representantes das duas instituições demonstraram interesse em estabelecer parceria.

O Programa Produtor de Água incentiva produtores rurais a adotarem boas práticas de conservação de água e solo. Já a iniciativa da Fundação visa a preservar os remanescentes florestais da Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos, em São Paulo. A idéia é avaliar a integração de ações dos dois projetos.

“No entorno do município de São Paulo, há muitas florestas conservadas, mas percebe-se que os produtores rurais necessitam de assistência técnica para a conservação do solo”, destaca Devanir Garcia, gerente executivo da Superintendência de Usos Múltiplos da ANA.

Durante a reunião de hoje, Cristiano Cegana, responsável pelo Projeto Oásis, e Laurenz Pinder, coordenador de projetos ambientais da Fundação, apresentaram o Projeto Oásis a técnicos da ANA. Em sua primeira etapa, a iniciativa beneficia oito propriedades rurais, “premiando” a conservação de florestas localizadas na área de proteção dos mananciais que abastecem as represas Guarapiranga, Capivari-Monos e Billings.

“São propriedades que estão a mais ou menos 40 minutos de São Paulo, em áreas em que a pressão imobiliária é grande: é preciso incentivar o proprietário a continuar preservando”, explica Cristiano Cegana.