Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Irrigação e água pautam diálogo entre ANA e Abid

Irrigação e água pautam diálogo entre ANA e Abid

por ASCOM/ANA publicado 05/08/2008 00h00, última modificação 14/03/2019 16h35
A importância da agricultura irrigada para a produção de alimentos. Este foi o principal tema do diálogo ocorrido na tarde desta terça-feira, 05/08, na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília, entre o diretor-presidente da autarquia, José Machado, e o pr
Raylton Alves

A importância da agricultura irrigada para a produção de alimentos. Este foi o principal tema do diálogo ocorrido na tarde desta terça-feira, 05/08, na sede da Agência Nacional de Águas (ANA), em Brasília, entre o diretor-presidente da autarquia, José Machado, e o presidente da Associação Brasileira de Irrigação e Drenagem (Abid), Helvécio Saturnino. Entre outras pessoas, Oscar Cordeiro Netto, diretor da ANA, também participou do encontro.

Segundo o diretor-presidente, a Agência tem incentivado a irrigação sustentável no país. “Precisamos caminhar para um planejamento estratégico da irrigação no Brasil”, enfatiza Machado. O dirigente da ANA também afirmou que é preciso haver uma agenda que envolva vários atores no debate sobre a Política Nacional de Irrigação.

Para o presidente da Abid, o mundo tem o desafio de dobrar a produção global de alimentos nos próximos 25 a 30 anos. No entanto, Saturnino demonstrou preocupação em fazê-lo mediante o manejo sustentável da água.

O diretor da ANA, Oscar Cordeiro Netto, abordou a questão da reserva de água nas propriedades rurais. Segundo o dirigente, tal reserva tem as vantagens de pressionar menos o meio ambiente, resultar num uso mais eficiente da água e promover o desenvolvimento tecnológico das propriedades.

Água e irrigação

Estudo da ANA aponta que 1,6 milhão de litros d’água são captados por segundo no Brasil, dos quais 46% são destinados à irrigação. Dos 840 mil litros de água consumidos por segundo, 69% vão para a irrigação. A diferença entre estes percentuais deve-se ao fato de que nem toda água captada é consumida.