Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Alagoas decreta estado de emergência na saúde pública

Alagoas decreta estado de emergência na saúde pública

por Fonte: Jornal do Commercio (PE) publicado 30/06/2010 00h00, última modificação 15/03/2019 09h18
O governo de Alagoas decretou estado de emergência de saúde pública por conta do alto risco de ocorrência de casos de doenças nos municípios afetados pelas enchentes das últimas semanas.
MACEIÓ – O governo de Alagoas decretou estado de emergência de saúde pública por conta do alto risco de ocorrência de casos de doenças nos municípios afetados pelas enchentes das últimas semanas.

A informação foi divulgada ontem pela Secretaria de Saúde do Estado. Até agora, já foram registrados seis casos de leptospirose, 49 de diarreia, 42 de síndrome respiratória e nove de acidentes causados por animais peçonhentos em várias das 28 cidades alagoanas destruídas pelas águas.

O decreto de estado de emergência coincidiu com a divulgação do total de investimentos necessários para recuperação de 94 unidades de saúde seriamente danificadas em municípios de Alagoas (43 hospitais e postos de atendimentos) e Pernambuco (51). De acordo com o diretor de Vigilância Ambiental do Ministério da Saúde, Guilherme Franco Neto, será preciso R$ 60 milhões do governo federal.
 
O dinheiro deve ser liberado nos próximos dias, por meio de uma medida provisória a ser assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Boa parte da estrutura de atendimento a doentes foi afetada em Alagoas, onde as unidades médicas de 20 municípios não funcionam ou funcionam precariamente. E são justamente elas um importante braço da assistência às vítimas das chuvas.

SISTEMA DE ALERTA

Depois da tragédia que deixou 37 mortos em Alagoas, o estado vai ganhar um sistema de alerta contra enchentes, similar ao instalado em Santa Catarina. Técnicos da Agência Nacional De Águas (ANA) chegaram a Maceió para implantá-lo. Eles começam hoje uma viagem pelas bacias
hidrográficas dos Rios Mundaú e Paraíba para identificar pontos de cheia.

De acordo com o técnico da ANA Maurrem Vieira eles seguirão até as nascentes dos dois rios em Pernambuco, juntamente com técnicos da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos e do Instituto do Meio Ambiente (IMA). O grupo percorrerá toda bacia para identificar quais pontos ideias para instalação dos sensores que transmitirão as informações sobre o nível dos rios e a intensidade das chuvas, via celular ou satélite.
Texto:Fonte: Jornal do Commercio (PE)