Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Agência apresenta Produtor de Água no workshop Floresta Água

Agência apresenta Produtor de Água no workshop Floresta Água

por ASCOM/ANA publicado 20/11/2007 23h00, última modificação 14/03/2019 16h35
Nesta quarta-feira, 21/11, a Agência Nacional de Águas (ANA) apresenta o Programa Produtor de Água no workshop “Floresta Água: a Dependência Comum”. O evento ocorre na Universidade Católica de Brasília (UCB), Campus de Taguatinga, Auditório São João Batista de La Salle, e vai das 14h às 18h.
Nesta quarta-feira, 21/11, a Agência Nacional de Águas (ANA) apresenta o Programa Produtor de Água no workshop “Floresta Água: a Dependência Comum”. O evento ocorre na Universidade Católica de Brasília (UCB), Campus de Taguatinga, Auditório São João Batista de La Salle, e vai das 14h às 18h.

José Machado, diretor-presidente da ANA, participará da abertura do workshop, que abordará a interação entre as áreas produtivas agrícolas e os recursos hídricos. O Produtor de Água servirá de exemplo de boa iniciativa que se insere na tendência mundial de pagamento por serviços ambientais

O Programa Produtor de Água

Neste ano, ocorreu o lançamento do projeto-piloto do Programa Produtor de Água, que estimula produtores rurais a adotarem boas práticas de conservação de água e solo. Em contrapartida, os produtores recebem uma remuneração pelas ações executadas, como: plantio e preservação de matas ciliares.

Como conseqüência do Programa, a ANA espera que haja a melhoria da qualidade da água, o aumento e permanência das vazões das bacias hidrográficas abrangidas pelo projeto. Atualmente há um projeto-piloto nas sub-bacias do Cancan, do Moinho e do ribeirão Posses, situadas entre Minas Gerais e São Paulo.

Além de oferecerem apoio financeiro, as instituições* que integram o Produtor de Água dão suporte técnico aos produtores. Assim, é possível realizar iniciativas de: recuperação e proteção de nascentes, reflorestamento de Áreas de Preservação Permanentes (APPs), entre outras ações.

Os valores a serem pagos aos produtores serão calculados conforme o sucesso das práticas implementadas, tais como: a redução da erosão e sedimentação, além da melhoria da cobertura vegetal às margens dos mananciais. Os produtores que já adotam medidas conservacionistas de água e solo recebem incentivos para continuarem agindo assim.


*Agência Nacional de Águas (ANA), os Comitês PCJ, a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA/SP), a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA/SP), a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF/MG), a Prefeitura de Extrema (MG) e a ONG The Nature Conservancy (TNC).