Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > Abastecimento comprometido

Abastecimento comprometido

por Fonte: Jornal de Brasília publicado 31/01/2010 23h00, última modificação 14/03/2019 16h39
Consequência das intervenções humanas são o assoreamento dos mananciais e a contaminação da água.

Consequência das intervenções humanas são o assoreamento dos mananciais e a contaminação da água.

Caso essas interferências continuem, o Rio Descoberto não será capaz de abastecer as populações futuras do DF e parte da de Goiás. O presidente do Conselho Federal de Proteção Ambiental, Francisco Medeiros, prevê o fim do lago daqui a 15 anos, caso enhuma "medida drástica seja tomada".

O superintendente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal Caesb), Maurício Luduvice, não acredita em um futuro tão desolador. "De forma alguma. A área é uma preocupação nossa, mas não é uma coisa catastrófica", avalia. No entanto, Luduvice reconhece que o volume útil do reservatório tem diminuído. Para recuperar as áreas degradadas, a Caesb iniciou um programa junto com os produtores rurais. "Já foram plantadas mais de dez mil mudas de árvores nativas", conta Luduvice.

São mais de 500 propriedades à margem do Descoberto. O analista ambiental do Instituto Chico Mendes, Júlio Falcomer, não concorda com a visão do ambientalista e nem com a do superintendente da Caesb. "Recebemos muitasdenúncias de parcelamentos urbanos irregulares dentro da APA.

Realmente a situação é preocupante e requer muita atenção", analisa. "Tentamos conter as ocupações, mas é preciso mais apoio", diz. Para que a fonte de recursos hídricos, que abastece mais da metade da população do DF, não suma é necessário conciliar a ocupação e o uso do solo com a proteção ambiental, analisa o funcionário, que trabalha diretamente com a APA do Descoberto. "Para isso, é preciso instituir o Plano de Manejo", argumenta Falcomer. É ele que define todo e qualquer procedimentoque vise assegurar a conservação da diversidadebiológica e dos ecossistemas da áreaprotegida. "Mesmo que o governo concentre todas asforças para a recuperação e preservação do Descoberto, sem o apoio da população não será ossível", diz Falcomer. Estudos apontam que a população desconhece a procedência da água que chega a sua casa, por isso não é convencida da importância da preservação de sua origem, no caso o Lago Descoberto.

O professor da pós-graduação em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos da Universidadede Brasília (UnB), Sérgio Koide, alerta para a fiscalização da ocupação e do uso do solo nas proximidades da reserva hídrica. "O que não pode se repetir é o que aconteceu em Vicente Pires (a área rural se transformou em urbana). "Não podemos nem pensar em uma coisa dessas", completa o superintendente daCaesb.

Porém, não é algo impensável. "O Núcleo Rural Incra 8, em Brazlândia, é um parcelamento rural com características urbanas."Toda drenagem pluvial da área agrícola cai no lago (Descoberto) por meio do córrego Veredinha", explica o professor.

SAIBA +

Mais de um milhão de brasilienses usam a água que vem do Rio Descoberto para tomar banho, beber, lavar, cozinhar e nem sabem disso. Publicações afirmam que ao saber a origem da água que se consome, torna-se mais fácil o convencimento sobre a importância da conservação do recurso. E em termos de abastecimento, o Rio Descoberto é o mais importante do Distrito Federal.

A barragem do Rio Descoberto abastece parte de Brasília, Lago Sul, Candangolândia, Ceilândia, Gama, Guará, Núcleo Bandeirante, Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, Santa Maria, Taguatinga e município de Novo Gama (Goiás).

A Agência Nacional de Águas (ANA) já diagnosticou um déficit hídrico de cinco mil litros de água por segundo para o atendimento das demandas futuras do Distrito Federal e da Região do Entorno.

Diante da importância do reservatório, se faz indispensável o isciplinamento do uso do solo e do tratamento de esgotos dos novos núcleos urbanos. Essas ameaças vêm principalmente do município de Águas Lindas de Goiás, com o surgimento de inúmeros novos condomínios.

O solo tomado por construções fica impossibilitado de drenar a água da chuva e armazená-lo. O reflexo dessa impermeabilização acarreta graves consequências: assoreamento, diminuição do volume de recursos hídricos subterrâneos, desmatamento e enchentes.

Na área rural, a ocupação do solo também tem sido preocupante. Algumas Colônias Agrícolas de Brazlândia já apresentam características urbanas. No entanto, o uso de agrotóxicos e a captação de água para irrigação continuam sendo os maiores inimigos dos afluentes e do próprio lago do Rio Descoberto. Essas substâncias comprometem a qualidade da água e as captações clandestinas interferem na vazão dos rios. O controle e o monitoramento dessas ações são indispensáveis para a manutenção do lago.


Texto:Fonte: Jornal de Brasília