Você está aqui: Página Inicial > Notícias antigas > 2º Fórum Brasileiro da Água dá enfoque para o saneamento básico

2º Fórum Brasileiro da Água dá enfoque para o saneamento básico

por ASCOM/ANA publicado 05/11/2007 23h00, última modificação 14/03/2019 16h36
Nesta terça-feira, 6 de novembro, São Paulo sedia o 2º Fórum Brasileiro da Água 2007. A Agência Nacional de Águas (ANA), o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), a WWF-Brasil e a Fundação Avina realizam o evento. O Fórum visa a promover o debate – entre vários s
Nesta terça-feira, 6 de novembro, São Paulo sedia o 2º Fórum Brasileiro da Água 2007. A Agência Nacional de Águas (ANA), o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), a WWF-Brasil e a Fundação Avina realizam o evento. O Fórum visa a promover o debate – entre vários setores usuários de água – sobre temas relacionados a recursos hídricos. Desse modo, espera-se construir um modelo de desenvolvimento sustentável que melhore a qualidade de vida das sociedades atual e futuras.

José Machado, diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), abre o evento ao lado de representantes das demais instituições realizadoras do Fórum.

Após a cerimônia de abertura, ocorre o painel “Análise de Cenário, Riscos e Perspectivas da Relação entre Saneamento Básico, Saúde Pública e Desenvolvimento Humano”, do qual participam especialistas brasileiros no assunto.

O segundo painel tem como tema “Quais as Lacunas e as Possíveis Soluções para o Saneamento Básico no Brasil?”. Dilma Seli Pena, secretária de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo, é uma das convidadas a tratar do assunto. Encerra o Fórum a consolidação do documento “Reflexões para os Caminhos e Soluções na Área do Saneamento Básico e Saúde Pública – Uma Perspectiva Multisetorial”, que será resultado dos debates ocorridos no evento.

Saneamento básico

Por falta de saneamento básico, sete crianças brasileiras com menos de cinco anos morrem, por dia, em decorrência de diarréia. No país, 80% do esgoto não recebe tratamento e acaba sendo despejado em rios, córregos, lagos, lagoas e no mar.